sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Aniversário de Josy Stoque - Trilogia Puro Êxtase grátis para Kindle!

 
Fonte da imagem: Facebook

Hoje é aniversário da queridíssima Josy Stoque, assim como o aniversário de dois anos de publicação de Puro Êxtase.
Por este motivo a autora colocou, SOMENTE HOJE, a trilogia erótica completa de graça para baixar na Amazon. Já peguei para o Kindle da minha mãe, aproveitem também! :)

Puro Êxtase (Livro 1)
"O vazio é uma nova oportunidade de se preencher"
Como você se sentiria se seu relacionamento acabasse depois de dez anos? Sara Mello precisa recomeçar, recuperando o emprego como advogada e os sonhos perdidos. E como se não bastasse a mudança, a vida lhe faz mais uma surpresa através de um estranho em um bar, um convite irrecusável e uma noite inesquecível. Ela vai descobrir que é sexy, sentindo na pele o significado mais profundo do amor próprio.
Abra sua mente, liberte suas fantasias mais ousadas e realize tudo o que tiver vontade.

Puro Êxtase a 2 (Livro 2)
"O sonho não pode morrer"
Há um ano, o destino colocou os caminhos de Sara Mello e Rodrigo Valente em rota de colisão, e o resultado foi combustão espontânea. Este encontro causou mudanças significativas na vida infeliz e sem propósito do belo arquiteto e deixou a sexy advogada perdida em sua trajetória de autoconhecimento. Porém, eles não contavam que o universo os colocaria frente a frente de novo, dando-lhes uma oportunidade de viverem plenamente aquele desejo insano que não diminuiu em nada com o tempo.
O amor não se busca, é ele que vem ao seu encontro.

Puro Êxtase para Sempre (Livro 3)
"Enquanto o desejo durar"
Você acredita no felizes para sempre? Rodrigo Valente, pela primeira vez na vida, está apaixonado. Sara Mello tenta fugir dele, com medo de amar outra vez, mas todas as suas armaduras se dissolvem ao toque sensível e excitante do arquiteto. A promotora aceita se casar com ele, mas a ex-namorada dará a cartada final para convencê-lo do erro de tê-la deixado, às vésperas da cerimônia. Será que este amor é forte o bastante para resistir aos defeitos, às reações explosivas e às opiniões divergentes?
Viver é um presente que só tem sentido com amor.

:)

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Sobre conforto e preconceito.

Então lá fomos eu e meu marido em um shopping - não pra passear, precisávamos - em plena terça-feira de Carnaval, durante uma de minhas crises de dor.
Quando eu estou mal, obviamente, gosto de estar o mais confortável possível. Ainda mais para enfrentar um shopping lotado durante o Carnaval com este calor vindo das profundezas dos infernos.

Fui super confortável com meu par de tênis de ir aos parques de Orlando que desenterrei aqui - você precisa ter os tênis mais confortáveis do mundo se vai acordar às 6h e ir dormir depois da meia-noite, andando sem parar no calor da Flórida, acredite em mim -, minha t-shirt 100% algodão infantil - roupas infantis são muito amor - de New Orleans (um dos lugares que mais quero visitar), e meus jeans rasgados companheiros de guerra shows de rock. Ah, e fui com meus óculos, e não com lentes de contatos pois, com dor, às vezes é impossível colocá-las.

Nada fashion, mas extremamente confortável.

Eis que, depois de fazermos o que precisávamos, vi a loja da Lindt e resolvi entrar e perguntar sobre a trufa dos sonhos, *imaginem um coro de anjos celestiais aqui* uma trufa perfeita que comprei na Flórida durante a última viagem e nunca mais a achei. Como era especial para o Valentine's Day, fui tentar a sorte.

Antes de perguntar para algum funcionário, fui dar uma olhada em todas que tinha, ansiosa para encontrar minha trufa encantada. *coro celestial*

Porém, uma vendedora aparentemente achou que eu iria enfiar tudo o que conseguisse nos bolsos, ou sacar uma arma da minha bolsa de franjas lindas - mas teria que pedir pra ela segurar meu copo gigante de chá gelado antes.

Resolvi perguntar a ela mesmo e, no começo da conversa, ela nem me levou a sério, como se a ideia de que eu tivesse viajado ou sequer conhecesse a trufa fosse inconcebível. Quando ela percebeu que eu sabia exatamente o que eu queria, seu comportamento mudou, até tentou me vender coisas e dizer "esta aqui é uma delícia". Eu simplesmente respondi "é mesmo, eu sei", da maneira mais educada possível, pois mamãe e papai me ensinaram assim

Eu agradeci a atenção, me despedi, e fui embora - não, eles não tinham a trufa abençoada. *coro celestial*

Poderia citar cada marca que estava vestindo dos pés à cabeça, ou até mesmo que provavelmente estava usando alguns milhares de reais. Porém, é esta a questão, não sou melhor que ninguém por isso. E que jeans, tênis e camiseta não é o fim-do-mundo, ainda mais em uma situação despojada em pleno Carnaval. Mas eu poderia estar usando roupas compradas na feira em uma sexta-feira à noite, não deveria importar.

Durante o fim-de-semana eu fui na Pandora compras algumas coisas vestida praticamente igual e fui extremamente bem atendida. *só estou citando as lojas pra vocês terem uma ideia*

Cansei de sentir na pele ou presenciar funcionários de lojas julgando as pessoas. E não apenas pelas roupas, mas pelo peso, etc.

E eu simplesmente não entendo como os donos das lojas, donos de franquias, gerentes, etc., permitem ou quem sabe até incentivam este comportamento. Vocês não percebem que espantam potenciais fregueses e perdem os antigos? E quem ganha comissão não percebe que ser bem educado é essencial?

Aliás, as pessoas não percebem que boa educação é essencial na vida em sociedade, em qualquer situação?

E sou do tipo que deixa de ir no lugar, sem pensar duas vezes.

Minha ideia era colocar aqui vários exemplos de preconceito que presenciei e/ou sofri, de lojas e marcas que parei de consumir pelo tratamento, etc. Todavia, deixarei apenas estes questionamentos, e espero de coração que alguém reflita.

Ah, e vocês lembram da cena do filme Pretty Woman (1990)?


Créditos da imagem: cena do filme Pretty Woman (1990), imagem de Lindsey L. Turner

:)