segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Desafio das 250 Músicas #10

Eu encontrei este desafio musical no blog Starships and Queens, da Ana L. Alves, que por sua vez pegou no Champagne Supernova. Pelo que eu vi, cada pessoa está com um método diferente para responder as 250 perguntas (lista completa aqui), e eu farei da seguinte maneira - cinco questões respondidas por semana, em um único post. A Garota no Hall também já fez este desafio! Confira aqui.

Créditos da imagem: ballet, by simphonyx

46 - Uma música que te lembra alguém que você já amou - Nunca deixei de amar ninguém. Então mudei um pouco o significado. Como este ano perdi duas das pessoas mais importantes da minha vida, que sempre irei amar, resolvi dedicar a elas: Landslide, de Stevie Nicks:


47 - Uma música que te lembra alguém que você ama: Meu irmão, eu e minhas duas primas, do meu lado materno, fomos criados como quatro irmãos e temos um vínculo indestrutível. Quando Li, a caçula de nós, chegou à idade de ir para a universidade e mudar de cidade, esta música não saía de minha cabeça. Cada vez que a ouço lembro de momentos especiais com cada um dos três, assim como lembro da vida inteira da Li. Minha irmãzinha, minha boba favorita, esta é especialmente pra você: Never Grow Up, de Taylor Swift:

*vídeo não-oficial, encontrado no YouTube*

48 - Uma outra versão de uma música que você considera melhor que a versão original: Baby One More Time, de Travis:


49 - Uma música que tenha um sintetizador e você goste: Personal Jesus, de Depeche Mode:


50 - Uma música com onomatopéias: It's Oh So Quiet, de Betty Hutton:


:)

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Li: A Bela Perdida e a Fera Devassa, de Josy Stoque


SkoobJosy Stoque no Skoob - Josy Stoque - Lojinha da autora - Comprar eBook


ISBN: B016ZFR6O6
Ano: 2015 / Páginas: 62

"Valentina é mãe, divorciada e precisa voltar ao trabalho para sustentar a casa. No escritório de advocacia, o promotor William se mostra um homem tentador, trocando sorrisos safados e olhares devoradores que a deixam perdida, sem saber como retribuir. Para complicar a situação, o chefe a envia para um congresso fora da cidade e no hotel descobre que ele está hospedado no quarto ao lado, para participar do mesmo evento. Val precisa das dicas de sua experiente amiga Sara Mello para reaprender a paquerar depois de quinze anos indisponível. As coisas estão um pouco diferentes agora, mas ela vai perceber que é muito mais divertido ser solteira depois dos trinta, ainda mais quando o cara é uma fera em sedução."


*não recomendo para menores de 18 anos*
*use sempre camisinha!*

Embora a Josy seja uma autora parceira do blog, esta leitura não foi feita por causa da parceria. Estava eu, em minha cama, esperando os remédios fazerem efeito, quando senti falta de sua escrita.

Pois uma coisa posso afirmar: Josy Stoque escreve bem.

E diverte!

Depois de tantos acontecimentos em minha vida neste ano, e da ausência aqui, não sabia o quê esperar. Além de me surpreender com o enredo em si, mal pude acreditar na presença de uma de minhas personagens favoritas, Sara Mello!!!

Voltar a ler algo da Josy foi como rever um velho amigo. Adoro sua escrita sexy, divertida e despretensiosa. Adoro suas personagens reais, que possuem tanto grande auto-confiança em alguns pontos quanto insegurança em outros. Ninguém é perfeito, assim como na vida, mas todos valem a pena conhecer.

Adorei o casal Valentina e William, e tenho certeza de que vocês irão se divertir com os dois. É um conto engraçado e erótico que, embora curto, mostra os problemas e dilemas do cotidiano.

E, gosto tanto da maneira como a Sara se porta que, mesmo sendo tarde da noite tirei foto de algumas de suas frases ó-ti-mas e enviei para algumas amigas! ;)

Para quem leu a trilogia Puro Êxtase: vocês pediriam conselhos sobre o sexo oposto para Sara?

:)

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Por que unicórnios

Eu tenho algo carinhosamente apelidado como the suicide disease há treze anos (13 anos de diagnóstico). Não tem cura, nenhum das dezenas de médicos diz que a cirurgia é uma opção no meu caso específico, então eu tenho que conviver com o que é considerada a pior dor conhecida pela humanidade pelo resto da minha vida (a menos que haja mais pesquisa e surja uma opção, que sabemos que essas coisas levam tempo). E assim tem funcionado - mais médicos, mais remédios.

Eu perdi três das pessoas que mais amo, que me criaram, sem aviso, sendo duas este ano com um intervalo menor que três meses.


E unicórnios são felizes, unicórnios são mágicos, unicórnios são amigos.
E são uma ótima companhia pra curtir as músicas da Stevie Nicks.

*2016, chega logo, por favor!*