quarta-feira, 20 de agosto de 2014

TAG: Conhecendo a blogueira

Semana passada eu vi esta TAG no blog Sabrina Damasco, e resolvi fazer. O engraçado é que, olhando meu blog no fim-de-semana, descobri que já fiz esta TAG em 24 de fevereiro de 2012!

Quem quer me conhecer um pouco melhor, recomendo que leia a antiga também, pois eu iria repetir vários dos fatos sobre mim se não tivesse redescoberto ela!

Tirando o fato de agora eu estar casada, tudo o que descrevi sobre mim na época ainda se aplica. Por este motivo, resolvi fazer a primeira parte da TAG sobre o meu casamento (e a segunda é sobre ser blogueira):

11 fatos sobre a blogueira *edição especial de casamento*:

 photo wedding5_zps194b8296.jpg

 Eu nunca sonhei com um casamento grande, e não foi. Mas eu sempre soube que eu queria absolutamente todas as flores brancas, e orquídeas - meu avô é orquidófilo, cresci em meio delas - em meu buquê. E poucas flores, pois sempre morri de dó de, por causa de um único dia, desperdiçarem tantas flores!

 Nós nos casamos em dois dias, e a maioria das pessoas não entendeu o motivo. Nós tivemos nosso casamento civil no cartório, em uma tarde de sexta-feira, somente com meus pais, minha cunhada e cunhado, e a mestra e sua mãe (considero minha segunda mãe). Era uma sexta-feira 13, e não quis abrir mão deste dia. No dia seguinte foi o casamento religioso, somente com as pessoas mais próximas da família e pouquíssimos amigos, e era véspera do aniversário de casamento dos meus pais. Fiz questão disto também. Dois casamentos, com duas noites de núpcias, dois vestidos, e comemoramos os dois dias todos os meses!

 Eu tinha comprado um vestido verde, Armani, no exterior, e nunca tinha usado usei. Seria meu vestido para o casamento civil. Porém, na antevéspera, eu me senti super mal, não quis de jeito nenhum. Meu noivo na época me acalmou, junto com minha cunhada e, no dia seguinte, ela iria comigo ao shopping procurar outro. Eu cheguei antes dela, vi um vestido branco com o modelo quase idêntico ao meu verde - mas de um tecido totalmente diferente -, experimentei e serviu como uma luva. Quando minha cunhada chegou, já tinha o vestido e compramos um sapato pra eu usar. Ninguém da minha família entendeu - "como você troca um Armani?!" -, e nem eu sei exatamente o motivo de querer outro. Talvez, no fundo, eu não abrisse mão do clássico branco. Talvez eu quisesse ter um vestido específico para a data ao invés de um-vestido-que-eu-tenho-guardado-e-nunca-usei. Ou talvez seja apenas um exemplo do que as bridezillas passam.



 Quando fui procurar meu vestido de noiva, eu não queria três coisas - qualquer tipo de brilho ou pedraria; tomara-que-caia; estilo corset, amarrado atrás. Eu queria um vestido longo, sem ser armado, de renda e simples. Adivinhem o que aconteceu? Entrei na igreja com um vestido estilo princesa, tomara-que-caia, com pedrarias no corset. Porém, em uma linha Freud explica, eu nunca me vi em um vestido de noiva em toda a minha vida, nunca pensei que gostaria de um até o Alfred Angelo lançar este vestido, muito antes de eu pensar em me casar com meu marido. Eu o mostrei pra minha mãe e disse na época: se um dia eu me casar, nós teremos de dar um jeito de comprá-lo. E o meu vestido me lembrou dele assim que eu o vesti, eu tinha até esquecido-o.  

 Nós dois montamos a trilha sonora do casamento. Escolhemos todas as músicas, uma por uma. Eram clássicas, rock clássico, jazz, músicas dos anos 50, 60, 70 e 80. A única ordem dada ao DJ era de só tocar as músicas que tínhamos selecionado. Uma das coisas que eu mais ouvi o dia todo foi "quem selecionou as músicas?", "só tem música boa", "não tocou uma única música ruim", e muitos pediram para meu pai se daríamos uma cópia da seleção. O que nos deixou felizes, pois eu temia que alguém fosse reclamar. Falando em música, na igreja fiz questão que tivesse Barbra Streisand e Love me Tender (que foi a música que minha mãe entrou na igreja em seu casamento - nós duas amamos o Elvis).
  
 Todo mundo imaginou que eu fosse inserir "Disney" em algo. Ou que fosse um casamento praticamente temático, que eu usasse minhas orelhinhas da Minnie em algum momento ou algo assim. Tirando duas músicas da Disney que eu coloquei na playlist e ninguém percebeu, não, eu não quis envolver Disney, livros, unicórnios ou qualquer outra obsessão minha. Eu queria o simples, o clássico, o confortável. 

 Falando em confortável, eu casei de sapatilhas, e na recepção troquei para rasteirinhas para ficar mais à vontade ainda. No casamento civil eu casei de Melissa (Melissa, me patrocina!). Sim, sapatilha, rasteirinha e Melissa. E eu fiquei feliz por ter feito isso.

 Fizemos questão de que o bolo fosse, em primeiro lugar, saboroso. Nada de pasta americana, nada de bolo falso para fotos, massa branca, amêndoas (ainda mais que sou alérgica) ou algo do tipo. Nem naked cake. Foi um bolo feito por uma confeiteira que faz os bolos dos aniversários de quase todo mundo de minha família, escolhido somente pelo sabor. E pra mim ele era lindo sim. E branco, com chocolate branco e leite Ninho. Todos comeram muito bolo! E os noivinhos foram os mais tradicionais que consegui achar, lindos!

 Eu sou alérgica a coco, mas uma das únicas lembranças que tenho da minha bisavó, era de vê-la fazer balas de coco, embrulhar nos papéis... e de comê-las, é claro. Minha sogra fez balas de coco para o casamento e, mesmo com minha alergia, foi emocionante ter este gostinho de infância neste dia. As balas fizeram um enorme sucesso! Nada de doces elaborados. Aliás, comeram mais balas de coco do que bem-casados!

 Eu usei em ambos os dias algo azul, algo novo, algo antigo e algo emprestado. Como tenho dois furos em cada orelha, algo muito especial para mim foi usar brincos de brilhantes que são da minha mãe e da minha falecida tia. Meu avô comprou para ambas, idênticos, somente o tamanho difere levemente. O de minha tia hoje é meu, mas acredito que nunca tenha realmente usado. E eu sempre dizia que ela seria minha madrinha de casamento, então foi uma forma de tê-la comigo o tempo todo.

 Eu quis entrar na igreja com um terço, eu queria um véu, eu quis que a Bíblia que fosse levada ao altar fosse a que meus avós paternos me deram. Mas durante todo o planejamento, todas as coisas que eu e nós queríamos, tudo o que realmente importava, era nos casarmos e, finalmente, unir as duas famílias. E que todos ficassem confortáveis. No primeiro dia, saímos do cartório para uma lanchonete. E uma enorme alegria foi ver a maioria das pessoas trocando de roupa durante o segundo dia, na recepção. Tinha gente de chinelo, gente de bermuda, gente de vestido de algodão. E rindo, e não se preocupando com aparências, com fotos, e realmente comendo bem e tendo um belo dia. Ver as pessoas que você ama felizes no(s) dia(s) mais importante(s) de sua vida é algo que não tem preço.

11 perguntas de quem me indicou a TAG:

1. Por que fez um blog?

Eu sempre digo que eu tenho blog assim que a blogsfera começou. Eu sou das que tinham sites pessoais no Tripod (era no Tripod?! não lembro mais), no HPG, quando tudo era muito novo, tudo em inglês, e acabávamos conhecendo as páginas e depois blogs de todo mundo. Época de gifs animados bregas, ninguém nem sabia nada sobre direito autoral (disso eu não sinto falta), e ganhar dinheiro com isso ou algo parecido seria motivo de piada (não, eu não ganho dinheiro com o blog até hoje). Eu posso dizer que tive dezenas de blogs, embora certamente não vá lembrar o nome de todos. Buffy's World, Buffy's Life, Primeira Página, Watch me Shine, e títulos cafonas até dizer chega.

Quis recontar isto pois o motivo sempre foi o mesmo - eu amo escrever. Eu dizia que seria escritora antes de aprender a escrever, então... Por mais que eu já tenha tentado me afastar ou parar com blogs, eu simplesmente não consigo.

2. Qual blogueira te inspira?

Luma Kimura, Garota no HallPatrícia Pirota, Juliana Gervason, Tatiana Feltrin, Flávia Calina e Luba. Eu adoro dezenas de blogs, e adoro interagir com blogueiras. Mas estas são pessoas que eu admiro.

3. O que pretende alcançar com o blog?

Continuar sendo o meu canto para escrever, o meu espaço. Só quero que cresça. Que eu consiga escrever mais, sobre mais coisas - principalmente mais livros -, que eu melhore minha escrita cada vez mais... enfim, que continue assim, só que mais. Faz sentido?

4. Sobre o que você fala no seu blog?

Tudo! E nada, ao mesmo tempo! O que eu mais gosto é de falar sobre livros, mas já falei muito sobre beleza, sobre meu noivado, sobre filmes, músicas... enfim, eu falo sobre minhas experiências.

5. Qual sua banda/cantor favorito?

São dezenas, eu gosto principalmente de rock, jazz e blues. Mas irei dizer: Barbra Streisand.

6. Um lugar que você sonha conhecer?

Eu fiz um top aqui, mas eu quero ir mais uma vez pra Orlando, pra apresentar a cidade ao meu marido! Não vejo a hora!

7. O que mais gosta de fazer nas horas vagas?

Ler! Sem dúvida! :)

8. Um vício que te faz bem?

Livros! :)

9. Qual filme você indica de olhos fechados?

Cinema Paradiso. Prepare uma caixa de lencinhos.

10. Qual a melhor coisa em ser blogueira?

Sentir-se livre para se expressar. É um espaço seu e você pode escolher seus assuntos, a forma como abordá-los, etc. E a blogsfera. Há pessoas fantásticas na blogsfera!

11. Qual sua profissão e por que a escolheu?

Eu tenho várias formações, mas atualmente eu sou blogueira, concursista, dona-de-casa. Todos os cursos que escolhi e fiz foram por pura paixão, e todos envolvem a escrita de alguma maneira. Eu sempre disse que eu seria escritora e dona-de-casa quando pequena. Hoje eu sou apaixonada por Criminologia, Criminalística, Medicina Legal, e quero estudar cada vez mais, e trabalhar com investigação criminal um dia, claro. E escrever sobre estes assuntos. Mas acho que serei uma eterna estudante, sempre quero aprender algo novo!

11 perguntas para quem quiser responder a TAG:

:) Eu vou repetir as de 2012 pois quero que outras pessoas respondam:

1 - Qual seu autor favorito?
2 - Escolhe o livro pela capa?
3 - Qual o pior filme que assistiu?
4 - Qual sua profissão, ou a que almeja ter?
5 - Quais séries de televisão acompanha?
6 - Possui alguma coleção?
7 - Uma música que te anime sempre.
8 - Possui alguma tatuagem? Gostaria de ter?
9 - Sabe tocar algum instrumento?
10 - Uma frase de um livro.
11 - Qual foi o melhor show em que foi?

:)

4 comentários:

Anônimo disse...

Amei o post! Saber mais um pouco sobre o casamento, os detalhes!
Adorei querida! (além da Flávia e Luba, estou louca pra conhecer os outros que você citou!)
Beijos!!


Hanna

Erica Oliveira disse...

Seu casamento parece ter sido muito lindo. Todos os detalhes foram bem significativos, e eu acho isso o máximo. Prezo muito o casamento tradicional, então se me casar um dia será assim. Gostei da tag, acho que também vou responder.

http://tudoqueeuli.blogspot.com

Lari Padz disse...

Ai, teu casamento deve ter sido lindo! *---*
Amei o post e acho que vou responder a tag lá no meu blog, as perguntas são a minha cara hahahahah
Abraços!

Isadora Monteiro disse...

parabéns, espero que vc seja muitoooooo feliz nessa nova fase.
Vou voltar mais vezes aqui *-----* <3

Seguindo seu blog


http://isadoratendencia.blogspot.com.br/